Agachamento - Parte 2

Pesquisas (que levaram em conta a metodologia de treino, a idade e a qualificação/nível técnico do atleta) acerca dos exercícios: técnico de complexidade motora elevada – arranque clássico; e de complexidade motora simples – o agachamento costas (com levantadores de peso de 13 a 20 anos idade) permitiram que fossem formulados Princípios Gerais e Parciais, que devem ser considerados para o planejamento do processo educacional de treino em longo prazo.

Além disso, eles devem ser aplicados com certa maleabilidade para outros grupos de exercícios similares, sempre levando em consideração o estágio do treinamento em que nos encontramos.

Ao relacionarmos o treinamento com pesos com as adaptações cardiorrespiratórias, uma das melhores ferramentas para utilizarmos é o agachamento.

Pesquisas há mais de 30 anos comprovam a eficácia deste exercício para a redução da FC de repouso.

As tabelas abaixo mostram a FC mensurada em 10 segundos após a realização do exercício, em intensidades diferentes. O grupo 1 utilizou intensidades entre 50-65%, o grupo 2 – 70-80% e o grupo 3 – 80-90%. Os resultados mostraram que o grupo 2 foi mais eficaz para os atletas entre 15-16 anos e ente 17-20 anos, apesar de mesmo assim, haver uma diminuição percentual na melhora dos resultados em comparação ao grupo 2.

Também podemos observar que, ao analisarmos as adaptações cardiovasculares do treinamento de força, percebemos uma economia significativa (em torno de 13 bpm) durante um período de 6 meses de treino, utilizando o agachamento com cargas em torno de 70% RM (3-4 repetições/série), melhor do que com 50-65% (6 rep) e do que 80% (3-4 rep), que provocam uma redução de, em média, apenas 5bpm). Há ainda uma menor redução da FC com a utilização de 90% de intensidade (1-2 rep): 3,75bpm.

Assim, podemos concluir que devemos constantemente variar a intensidade da carga de treinamento para almejarmos um progresso ótimo, não apenas nos ciclos de treinamento, mas na estrutura educacional do treinamento em longo prazo. Levando sempre em conta estas alterações/adaptações parciais e gerais que resultam dos exercícios técnicos/complexos e de força/simples.

Enfim, desejo postar informações contidas nos livros de grandes Doutores do Esporte, como A. Medvedyev, apenas com o intuito de mostrar que há outras fontes de informação /conhecimento além de papers em revistas "cientificas" capitalistas.